top of page
  • Foto do escritorFernand Lodi

Usiminas paralisa AF-1 e reconfigura operação em Ipatinga



Com o alinhamento ideológico nefasto com a China o governo federal está colaborando para a diminuição de trabalho e renda, além de prejudicar nosso parque industrial siderúrgico, bem como outros setores da economia

 

A Usiminas paralisa nesta sexta-feira, 15/12, o Alto-Forno 1 (AF-1) da Usina de Ipatinga.


O equipamento, com capacidade para cerca de 600 mil toneladas de ferro gusa por ano, terá a operação suspensa como uma resposta da empresa ao índice crescente de aço importado que vem entrando no Brasil ao longo de 2023.


Esse produto vem principalmente da China, de forma subsidiada, e chega ao país com preços artificialmente baixos, até mesmo abaixo do custo de produção.


Conforme já divulgado pela empresa, a decisão está diretamente relacionada com o aumento de 48,6% no volume de importações de aço da China.


“É uma concorrência desleal que estamos enfrentando, uma vez que o Brasil é um dos poucos países que mantêm o mercado aberto, com impostos de importação bem abaixo da média de outros grandes mercados como a Europa, os Estados Unidos e o México”, lembra o presidente Marcelo Chara.


Com a retomada do alto-forno 3, o maior da companhia, após uma ampla reforma que modernizou todo o equipamento, a Usiminas terá uma capacidade de produção de ferro gusa de aproximadamente 3,6 milhões por ano na usina de Ipatinga.


Na reforma, a empresa investiu cerca de R$ 2,7 bilhões para a completa revitalização, que incluiu uma série de melhorias técnicas e ambientais.

 

 

 

 

Comments


  • Facebook
  • Instagram
  • Facebook
  • Instagram
  • Facebook
  • Instagram
  • Facebook
  • Instagram
bottom of page