top of page
  • Foto do escritorFernand Lodi

Andrea Paiva estampa campanha do Setembro Amarelo




Embalada em seu papel social, Andrea Paiva assume sua ação objetiva para motivar as pessoas a adotar estilos de vida saudáveis


Andrea Rocha de Paula Paiva (56) ilustra a campanha do Setembro Amarelo Hamonir, uma exaltação à vida e à primavera.


Nascida na cidade de Catalão, em Goiás, Andrea chama atenção pelo estilo de vida saudável que reflete em sua silhueta desenhada pelas atividades físicas, “com uma mãozinha da genética”, segundo comenta em entrevista à imprensa.


“A saúde e o bem-estar completo estão relacionados a um conjunto de fatores essenciais ao estilo de vida que escolhi adotar, com muita disposição e sem ansiedade”

Andrea conta que está em plena atividade num tempo que reservou para si mesma após criar os filhos que já conquistaram sua autonomia

Andrea, como é contabilizar 56 primaveras com tanta disposição?


Quando eu era mais nova, eu não conseguia estabelecer uma rotina de atividades físicas. Meu tempo era praticamente dedicado aos filhos, à família, mas herdei a boa genética do meu pai, seu bom metabolismo, que favorece o não acúmulo de gorduras no organismo. Esse é um ponto favorável à qualidade de vida que busco cultivar.


E, quanto a colaborar comigo para manter meu corpo em forma, com um bom condicionamento físico, saudável, há dez anos, faço exercícios físicos diariamente em favor da saúde muscular, da minha força e resistência.

Com o passar do tempo, é natural que haja uma perda de massa muscular, então busco compensar esse prejuízo. Também pratico yoga, atividade que adotei há dois anos e que me encanta. Graças à yoga, ganho flexibilidade, força e conquisto um bom equilíbrio.

Como é a sua alimentação?


A boa alimentação também é minha aliada no propósito de manter uma vida saudável. Eu sempre me alimentei bem. Nada elaborado, mas como pouco e sem restrição alimentar.

Sou bem cuidadosa em relação à quantidade e qualidade do que consumo. Se em um dia saio da rotina, exagero um pouco, compenso no dia seguinte.


Quais as atividades que você pratica por puro prazer para melhorar sua qualidade de vida?

A música e o artesanato completam a minha lista do que me ajuda a estar bem. São meu hobby.

Ouço muita música, principalmente a popular brasileira. Toco um pouco de violão, atividade que ajudou a preencher meus dias de afastamento social no auge da pandemia, assim como os trabalhos manuais que aprendi muito cedo com a minha avó.


Gosto de fazer colcha de retalhos. Tenho quatro cachorros que também ajudam a dar movimento ao meu dia a dia.


Eles chegaram à nossa casa de formas diferentes. Dois dos adotados foram resgatados pela ONG Amigo Cão. Ah! Gosto muito de viajar.


A saúde e o bem-estar completo estão relacionados a esse conjunto de fatores, ao uso do tempo livre de forma saudável, e pelo autocuidado que envolve zelo com a pele, cabelos, corpo e mente. Tudo isso é essencial para a manutenção do estilo de vida que escolhi adotar, com muita disposição e sem ansiedade.


Cuidados com a pele constam em sua rotina diária?


Sim. Há tempos, estabeleci uma rotina de cuidados com a pele. Esse acordo comigo foi feito em 1989, quando comecei a trabalhar como promotora de vendas para uma empresa de cosméticos.


Por 23 anos, eu me dediquei a essa atividade que me ajudou a abraçar o autocuidado, a cumprir diariamente um ritual de limpeza, tonificação e hidratação da pele.


Participei de vários cursos pela empresa sobre essas práticas. Claro que foi sempre desafiador conciliar autocuidado e a vida cotidiana muito dinâmica.


Eu me lembro de quando comecei a trabalhar, saindo cedo de Ipatinga para Fabriciano, de ônibus, para abrir um estabelecimento comercial. Mas eu me virava, eu me organizava para cumprir as agendas.


Você é adepta de outros procedimentos estéticos?


Com a chegada da menopausa, uma fase de muitas transformações, e com as perdas que a pele sofre a partir desse ciclo, passei a recorrer a procedimentos como a aplicação de botox e estimuladores de colágeno.


No universo de cuidados com a pele, existem vários recursos, com destaque para os minimamente invasivos e que produzem grandes resultados, proporcionam um aspecto saudável à pele, promovem uma verdadeira renovação dos tecidos.


Hoje temos mais acesso a profissionais dedicados a esses e a muitos outros procedimentos estéticos e a aparelhos de última geração.


Uma vez por ano, faço uso de laser para estimular a produção de colágeno, eliminar rugas, linhas de expressão, reduzir a flacidez e dar mais firmeza à minha pele.


Alguém em especial inspira você?


Tenho importantes referências da força feminina vinda da minha mãe e da minha avó, mulher dedicada à família. A mesa de café sempre farta era ponto de encontro da família.


Seus doces caseiros também fazem parte das minhas boas histórias de vida. Quanto à minha mãe, ela teve o apoio necessário da minha avó para sair de casa, estudar e crescer profissionalmente como educadora.



Sua forma prática de levar a vida cotidianamente, com muito trabalho, me inspirou e me inspira. Com ela não tem drama, tem é muita disposição, fala positiva e movimento. Minha mãe não para. Assim como ela, eu também sou bem inquieta.


Como foi a sua infância no interior de Goiânia?


Foi cercada pela família, com a participação ativa da minha vó em nossa vida. Brinquei muito na rua, com muitos amigos, estudei no colégio de freiras Agustianas, onde eu sempre participava das festividades cantando e tocando violão.


Mais tarde, eu me mantive ligada a atividades em grupos de jovens, coral da igreja, encontros em barzinhos. Tenho um grupo de WhatsApp que reúne amigos dessa época.


Outra lembrança que guardo é de quando minha mãe me motivou a ir pra Goiânia estudar, mas foi nesse tempo que conheci meu marido e me casei no ano seguinte.


Eu queria ser mãe e, muito cedo, fiquei grávida do meu primeiro filho, o primeiro neto e bisneto do lado da minha família. Meu filho tinha quatro bisavós, três avós e um tataravô. Venho de família de longevos.


Os laços de família são assunto recorrente em sua fala. Como se dá o processo de fortalecimento desses vínculos?


Construir uma família é a minha maior realização. Sou casada com o Mauricio. Temos quatro filhos, Luiza, Laura, Isadora e Hugo, adultos com rotina e vida próprias e que não dependem mais de mim.


A maternidade é uma construção. Ao longo do tempo, vamos nos desenvolvendo. Sou responsável com a rotina de afazeres da casa. Nossa relação em família é ótima, deu certo.

Sempre pude contar com a parceria de pessoas que trabalharam comigo e que me auxiliaram na rotina da casa.


E o segredo da vida é o amor. Sou apaixonada pelos meus filhos e fico emocionada ao falar deles, do Maurício, um paizão, daqueles que não falam muito, mas ele faz muito por todos e é sempre generoso.


Qual o conselho você dá para as mulheres que ainda não estão dedicando um tempo a elas?

Mantenha-se produtiva, sempre em atividade. Cuide de sua saúde e do seu bem-estar desde agora, independente da sua idade. Nunca é tarde para se cuidar.


Adote hábitos de vida saudáveis e se proponha a ir melhorando a cada dia mais o tempo destinado a você, tanto na qualidade desse tempo, quanto na quantidade

A vida vale a pena ser vivida, apesar dos desafios que precisamos enfrentar. Movimente-se regularmente. Dance, pedale, corra, ande. Faça o que gosta, mas não fique parada. A vida é movimento. O movimento é a vida.


CAMPANHA


A campanha Setembro Amarelo Hamonir foi criada objetivando incentivar as pessoas a refletir sobre o que pode ajudá-las a viver melhor, a adotar novos hábitos e abandonar o sedentarismo.

Essa jornada da Hamonir orienta a escolha das pessoas que ilustram as campanhas da rede de clínicas, como a recente dedicada ao Mês dos Pais, que contou com a participação do educador físico e atleta Giuliano Nepomuceno.


Ligado à saúde, ao bem-estar, à boa alimentação, aos esportes, ele foi outro exemplo inspirador da importância de se manter uma vida saudável.



Comments


  • Facebook
  • Instagram
  • Facebook
  • Instagram
  • Facebook
  • Instagram
  • Facebook
  • Instagram
bottom of page